Tuesday, February 18, 2014

[há dias assim] amo-te muito mãe

Gostava de ser como tu. Não conheço ninguém tão forte e corajoso. Tão vivido e sofrido. Sempre preparada para o próximo abanão. Tu sabes que a vida é difícil. Muitas vezes foi madrasta para ti e para mim. Para nós. Leva-nos quem gostamos. Leva-nos aquilo em que acreditamos. Troca-nos as voltas e às tantas estamos onde não queríamos estar. Onde não devíamos estar. 
Às vezes acordo sem forças para enfrentar mais uma batalha, e depois penso em ti e nas batalhas que já travaste. Levanto-me e relembro tudo o que aprendi contigo enquanto deixo que a água a ferver me bata nas costas. Nunca me disseste para ir à guerra sozinha. Muito pelo contrário, sempre disseste que lutarias comigo. Mas eu vi-te sempre à frente do batalhão, a dar o corpo às balas, sem nunca te queixares ou pedires para ser substituída por um bocadinho. Já lutaste demais. Ainda lutas. 
Não te preocupes, mãe. Eu estou preparada. Não importa o quanto dói, eu levanto-me e tomo o duche, sempre com água a ferver, e vou à luta mais um dia. Sei que sempre que quiser o teu colinho, posso correr para ti, e é isso que importa. O saber que estás lá. Não o faço (quase) nunca porque temo que sofras (ainda mais) outra vez, e não quero voltar a abanar o teu mundo
És a minha rainha, e eu a tua princesa. Sempre me trataste assim. Talvez por isso o meu filho também me ache a princesa dele,e não me deixe tornar-me rainha. Talvez me ache demasiado nova para ser rainha.
Amanhã faz 4 anos que o R. nasceu. Sei que estou de parabéns pelo filho fantástico que tenho. Parabéns a ti, minha rainha, que também estás de parabéns por me teres ensinado a ser tudo o que sou. Além de lutadora foste mãe todos os dias, todas as horas. Quero ser rainha como tu. E talvez não te tenha dito vezes suficientes que te amo. Mas sei que sabes que sim. Hoje, repito-o todos os dias (dias sim, leia-se) ao meu filho, para que um dia ele deixe de me achar princesa e passe a chamar-me rainha! 




Aquele beijo,
*muah*
Ana