Tuesday, March 11, 2014

[cartas ao meu filho] És o meu mundo!

Estou sentada na varanda. O sol está quente. Semana sim, e no entanto apetecia-me fugir daqui. Já tenho os olhos inchados de tanto chorar de culpa. Tenho a certeza de que se ele estivesse aqui comigo, se lhe confidenciasse aquilo que sinto e ele já tivesse idade suficiente para entender, que me diria que me desculpava. Porque é assim que ele é, um ser cheio de amor e carinho, um coração gigante, maior que ele próprio.

"Há alturas em que nos apetece fugir para outro mundo! Hoje apetecia-me. Para longe. Não de ti, mas dos outros. Querem obrigar-me a dizer que o que quero para nós é que continue tudo como está? Não me parece racional da parte de ninguém pedir a uma mãe que diga isso. Mesmo que o que eu queira seja o melhor para ti, não conseguirei nunca verbalizá-lo da maneira que querem que o faça. Seria o mesmo que dizer "estou bem quando não estás" ou "estou bem quando não sei de ti".

Eu quero saber de ti todos os dias, todos os momentos. Quero saber o que comeste ao almoço na escola. Quero perguntar-te o que aprendeste e com quem brincaste. Quero ver-te desenhar e descobrir que a cada dia desenhas melhor. Quero poder obrigar-te a ir para a cama contrariado. Quero poder dar-te um beijo de boa noite todos os dias. Aquilo que me pedem é que aceite que não vou estar lá sempre. Que não te vou desejar bons sonhos todas as noites, nem bons dias todas as manhãs. E se já tive que o aceitar, porque acontece semana sim, semana não, será impossível conseguir dizê-lo dessa forma. 

Hoje, meu filho, tive que tomar uma decisão. Fui obrigada a isso. Ainda não a revelei a ninguém, mas tenho a certeza que todos perceberam que tive que aceitar isto, da semana sim semana não. Tomei esta decisão consciente de que seria este o desfecho, quer eu quisesse quer não. Tomei-a com a certeza de que seria o desfecho que melhor serviria para ti. Tomei-a por achar que era isto que tu irias querer, se pudesses ser tu a decidir. 

Dizem-me que tens muita sorte por teres os pais que tens. Eu sei disso! Tens um pai e uma mãe, um R. e uma tia. Tens um mano e tens avós, e bisavós. Primos e primas com fartura. E os teus pais dão-se bem. Não vivem juntos, mas não discutem nem falam mal um do outro. Eu sei que tens sorte por teres tantas pessoas que gostam de ti. Também me dizem-me que as crianças se adaptam melhor que os adultos e que, se calhar, sou eu que não aceito bem "isto". Até poderia ser verdade, mas a verdade não é essa. A verdade é que eu não sei o que é melhor para ti. Mas também sei que não é alguém que não te conhece de lado nenhum que vai saber. Debato-me todos os dias com esta dúvida. Tira-me o sono de noite, e dá-me dores de cabeça de dia. Esforço-me para que não o percebas. Mas, afinal, o que é melhor para ti? Gostava tanto de ter certezas. Mas a única certeza que tenho é que quero que sejas feliz. És feliz, meu filho?

Perdoa, meu amor, todas as minhas dúvidas. Perdoa-me por não estar lá sempre. Por não te ter conseguido dar uma vida "normal". Por ter aceite naquele dia, do qual não me consigo lembrar, esta vida. Mas perdoa-me! Porque eu não me consigo perdoar."


yes, you are!


Aquele beijo,
*muah*
Ana