Friday, March 7, 2014

[há dias assim] Life is better... with SUN!

Estamos em semana não. O R. passou a segunda feira comigo e fomos passear, mas ao fim do dia o pai veio buscá-lo. Pensei que esta semana seria mais fácil a separação porque são menos dias, mas bolas, dói na mesma. E dói tanto. Cada vez mais o R. é o meu melhor amigo e companheiro. Tomámos um pequeno almoço fantástico juntos. Ele gosta de tomar o pequeno almoço a ver bonecos ou agarrado ao computador, e eu costumo deixar porque me dá tempo de arrumar tudo o resto, mas hoje requisitei a companhia dele e  foi bastante divertido. Depois ajudou-me a arrumar a cozinha e pediu-me que brincasse um bocadinho aos piratas. Cedi. Atrasá-mo-nos para o almoço, mas valeu a pena. A mesma vontade de chorar que tenho às sextas feiras, quando ele foi embora ao fim do dia.

Tenho-me mantido ocupada (não fosse a mãe e o mano estarem em casa) e isso faz com que o tempo passe mais depressa. Também me mantém com melhor humor e consigo sorrir. Mas hoje (era quarta feira, mas não publiquei o post como pretendia) acordei com uma maldita dor de cabeça que me tirou todo o bom humor que ainda existisse.

Tenho estas dores de cabeça desde os meus 18 anos. Sofri bastante nessa altura, pois não estava habituada a lidar com a dor. Na quarta feira, nem o quarto escuro e o silêncio funcionavam. Pensei que fosse falta de hidratos de carbono, e fui até à cozinha. Comi e bebi café, que normalmente também ajuda. Tomei mais um comprimido... Dos 14 comprimidos que tomo diariamente, nenhum me tira as malditas dores de cabeça. Já estava a desesperar por esta altura, pois tinha usado quase todos os meus trunfos contra a maldita! Enfiei-me debaixo da água a ferver. A companhia da água e do gás devem achar-me uma óptima cliente, pois o duche quente tem sido o meu melhor amigo ultimamente. Tomei um banho longo, com a água a cair ora nas costas ora na cabeça... Tinha um encontro importante ao qual não ia faltar. Melhorei um pouco, o que me deixou capaz de almoçar com uma amiga e lanchar com outra. Mas de regresso a casa, parece que tudo se complicou.

Ando pouco inspirada para escrever, até para me sentar ao computador, por causa das dores de cabeça. Como o sol se fez ver, decidi pegar no caderno e escrever sentada na varanda. O sol faz-me bem! Quer dizer, faz a todas as pessoas, mas a mim em particular, alimenta-me a alma. Sinto-me tão mais feliz quando está sol... Talvez porque tenho menos dores e fico menos rabugenta. Mas sim, o sol faz-me bem. Ando mortinha para que chegue definitivamente o bom tempo. Já não aguento ver botas à frente! Quero calçar chinelos de enfiar no dedo... Sol, não te atrevas a voltar a abandonar-nos! Precisamos de ti.



Eu também prometo voltar com muitas linhas para vocês lerem. O caderno tem muita coisa escrevinhada. Coisas antigas. Coisas novas. Coisas que não interessam. E coisas que ao reler me fizeram sorrir.

Aquele beijo,
*muah*
Ana