Sunday, July 13, 2014

[há dias assim] Também eu sou viciada!

No seguimento do post da Sofia Santos no Público Life&Style repensei a minha posição enquanto mãe. Sim, é verdade. Também eu sou viciada no meu filho, e é uma droga da qual não pretendo abdicar. Claro está, tal como a Sofia diz, que com o tempo passamos a ser mais moderados na droga, ou então apenas mais controlados. Hoje, passados 52 meses de R., sou uma mãe menos galinha, mais controlada, menos obcecada, mas muito mais orgulhosa.
Não tenho qualquer dúvida que assim o será sempre. Esta coisa da maternidade corre-me nas veias. Não a experimentei por ser prática comum no meu grupo de amigos. De facto, fui a primeira a testá-la, e tenho plena certeza de que jamais deixarei de a consumir. Quero muito continuar a viver estes momentos de euforia, para já com o R. e mais tarde, quem sabe, com outros ou outras crias.
O R. provoca-me um tal número de sensações impossíveis de experimentar em qualquer outra situação. Dou por mim eufórica com pequenas coisas, ou completamente destroçada com outras desprovidas de qualquer nexo. Ser mãe é a melhor coisa do mundo. Pode é não ser para todas...




Aquele beijo,
*muah*
Ana